Entrada livre sujeita a inscrição prévia através do email patriciacontreiras@fcsh.unl.pt
Serão entregues certificados de presença aos inscritos.

 

APRESENTAÇÃO

Esta conferência junta académicos, profissionais, estudantes e público em geral para debater as questões éticas na prática contemporânea do jornalismo. A digitalização alterou os formatos, os suportes e as linguagens jornalísticas de uma forma tão radical que nos obriga a reformular os instrumentos de regulação. Vamos tentar responder à seguinte pergunta de partida: Como podemos repensar as velhas questões que fundaram a legitimidade social do jornalismo e são fundamentais para garantir a sua sobrevivência e relevância no futuro?

Juntamos três painéis de especialistas para debater as “velhas” questões no contexto dos “novos” media. Entre académicos, jornalistas e representantes das entidades profissionais de regulação, iremos abordar a natureza da relação com os públicos e os poderes, a transformação dos valores notícia e das narrativas do jornalismo, os direitos e os deveres dos jornalistas, os usos da tecnologia e o valor da ética em práticas específicas, como a investigação jornalística. Pretendemos contribuir para responder a preocupações actuais que atravessam a profissão, a sociedade e as instituições que têm responsabilidades na regulação da comunicação e do jornalismo em Portugal, como a Entidade Reguladora da Comunicação e a Comissão da Carteira Profissional de Jornalista, designadamente em torno do imperativo de um novo código ético e deontológico para responder aos desafios do século XXI.  

 

PROGRAMA

09.15 / 09.45
Recepção de participantes

09:45 / 10h
Mesa de Abertura
Maria José Roxo (Subdirectora da FCSH)
Alberto Arons de Carvalho (Docente da FCSH e Investigador CIC Digital)
Carla Baptista (Docente da FCSH e Investigadora CIC Digital)

10:10 / 10:45
Conferência inaugural e debate
Stephen J. A. Ward  (Founder Director, Center for Journalism Ethics, Lecturer in Ethics, University of Bristish Columbia-Vancouver)

10:45 /11h
Coffee break

11:00
Painel I: Desafios da Auto Regulação do Jornalismo
Coordenador e moderador de mesa: Alberto Arons de Carvalho (Docente da FCSH e Investigador CIC Digital)

Temas em debate:

- Os jornalistas precisam de um novo código ético e deontológico?
- Porque desapareceram os provedores, excepto nas empresas a que lei obriga?
- Como se exerce nas redacções o direito de participação e a garantia de independência dos jornalistas?
- Como exercem os jornalistas o direito ao sigilo profissional?
- A actividade jornalística deve ser regulada, como e por quem?

Oradores:

Jacinto Godinho (Docente na FCSH, Jornalista da RTP e Membro da Comissão da Carteira Profissional de Jornalista);
Joaquim Fidalgo (Docente na Universidade do Minho e Investigador do CES);
Adelino Gomes (Jornalista e Investigador do CIES-UL);
João Miranda (Investigador da FLUC/Universidade de Coimbra).

13:00 /14:30h
Almoço

 

 

14:30 / 16:30h
Painel II: Novos Media, Novos Contextos de Regulação
Coordenadora e moderadora de mesa: Marisa Torres da Silva (FCSH/CIC Digital)

Temas para debate:

-Como distinguir verdade e pós-verdade no jornalismo contemporâneo?
-Como fiscalizam as formas de participação dos cidadãos na produção de informação?
-Como usar de forma ética as redes sociais no contexto da actividade jornalística?
-Quais as vantagens para os cidadãos de conhecermos a estrutura accionista das empresas de media?
-Quais os valores que devem orientar uma ética da informação para o século XXI?

Oradores:

João Pedro Figueiredo (Jurista da RTP, Docente Universitário);
Carla Martins (Docente da Universidade Lusófona e Assessora do Conselho Regulador da ERC);
Bruno Contreiras Mateus (Gestor Digital e de Redes Sociais no grupo Global Media)

16:30
Pausa

16:45 /18:30h
Painel III: Ética jornalística em contexto de investigação
Coordenador e moderador de mesa: Cátia Mateus (Jornalista do Expresso)

Temas para debate:

- Como enquadrar eticamente as formas de relação com as fontes de informação?
- Quais os impactos para a sociedade de erros éticos cometidos pelos jornalistas na divulgação de informação?
- Existe uma reflexão ética a fazer para enquadrar os novos formatos de storytelling usados pelos jornalistas nas reportagens de investigação?
- Como se pensam e se articulam nas redacções portuguesas os deveres éticos com a investigação jornalística?

Oradores:

Ana Leal (Jornalista da TVI);
José António Cerejo (Jornalista do Público);
Paulo Barriga (Director do Diário do Alentejo);
Pedro Coelho (Jornalista da SIC e Docente na FCSH)
Micael Pereira (Jornalista de investigação do Expresso)

18:30
Encerramento

COMUNICAÇÕES

STEPHEN J. A. WARD 
Reconstructing Journalism Ethics: Disrupt, Invent, Collaborate
The talk argues that journalism ethics, amid a media revolution, requires a radical  reconstruction of its aims, principles and practices. It is necessary to philosophically disrupt and “overcome” existing ethical frameworks, such as the professionbal ‘objective’ model. The talk proposes a new ethical mindset and a set of principles to assist reconstruction, and indicates how such ideas shape coverage of issues. Future journalism ethics should be discursive and “open” in seeking common values, applicable to engaged and interpretive journalism, and founded on global principles.

ADELINO GOMES
Ética e deontologia na idade digital - lições de duas experiências vividas
(Resumo da comunicação brevemente disponível)

ANA LEAL
Ética com carácter
(Resumo da comunicação brevemente disponível)

CARLA MARTINS
Transparência dos media, pluralismo e independência editorial: a ação do regulador 
A «lei da transparência» (Lei n.º 78/2015, de 29 de julho) resulta de um processo legislativo longo e conturbado. A lei foi finalmente aprovada em 2015, e por unanimidade, cumprindo à Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) a sua aplicação. Trata-se de uma iniciativa legislativa inédita mesmo no plano europeu de regulação dos media, seja pelo âmbito maximalista, seja pelo detalhe da informação a comunicar pelas entidades detentoras dos media em Portugal. Essa informação incide em três vertentes fundamentais: titularidade; gestão; meios de financiamento. O legislador entendeu que saber quem detém, quem gere e quem financia os meios de comunicação é instrumental para garantir a liberdade de imprensa, o pluralismo e a independência editorial. A comunicação aprofunda esta ligação entre a transparência e os valores que associamos à compreensão democrática do sistema mediático. Para tal, será necessário antecipar o sentido pragmático da recolha destes dados, tanto no que respeita à sua futura disponibilização pública, seja no cumprimento da missão regulatória em matéria de independência editorial e promoção do pluralismo.    

JOAQUIM FIDALGO
Uma nova ética para os novos desafios do jornalismo?
(Resumo da comunicação brevemente disponível)

JOÃO MIRANDA
Percurso e desafios da autorregulação profissional do jornalismo português
(Resumo da comunicação brevemente disponível)

JOSÉ ANTÓNIO CEREJO
Revelações negativas em períodos eleitorais e investigação e publicação de casos exemplares
(Resumo da comunicação brevemente disponível)

PAULO BARRIGA
O meu patrão é a minha fonte, e depois?
(Resumo da comunicação brevemente disponível)

ORADORES

STEPHEN J.A. WARD, PhD 
Media Ethicist, Author, Educator

Distinguished Lecturer in Ethics; University of British Columbia-Vancouver; Editor-in-Chief, Handbook of Global Media Ethics; Founding Director, Center for Journalism Ethics; University of Wisconsin-Madison; Honorary Fellow, School of Journalism and Mass Communication; University of Wisconsin-Madison

Stephen J. A. Ward is an internationally recognized media ethicist, journalist, educator, consultant, keynote speaker and award-winning author. He resides in Fredericton, N.B., Canada.
He is Distinguished Lecturer in Ethics at the University of British Columbia. Prof. Ward was the first Burgess Chair of Journalism Ethics and founding Director of the Center for Journalism Ethics, School of Journalism and Communication, University of Wisconsin-Madison.
He is former director of the Graduate School of Journalism, University of British Columbia and the George S. Turnbull Center at the University of Oregon’s School of Journalism and Communication in Portland.
In April 2016, Prof. Ward received the Distinguished Alumni Award from his alma mater, St. Thomas University in Fredericton, N.B.
His latest book, Radical Media Ethics, won the Tankard Award as the best academic book in journalism and mass communication in 2015, from the Association for Education in Journalism and Mass Communication in the United States.
In journalism, Ward was a war correspondent, foreign reporter and newsroom manager for 14 years and has received a lifetime award for service to professional journalism in Canada. He covered conflicts in Yugoslavia, Bosnia and Northern Ireland. Ward then became the British Columbia bureau chief for The Canadian Press news agency in Vancouver. He also has served as interim director of the international Organization of News Ombudsmen.
Academically, his research is on the future of media ethics in a global world. He is currently editor-in-chief of the forthcoming Springer Handbook for Global Media Ethics, a multi-volume, digital resource. Previously, he was associate editor of Journal of Media Ethics.
He is the author of the award-winning The Invention of Journalism Ethics. He is the author of Ethics and the Media and Global Journalism Ethics, and editor of Global Media Ethics. He is co-editor of Media Ethics Beyond Borders. He published two books in 2015: Radical Media Ethics and the Second Edition of The Invention of Journalism Ethics. He is writing two more books to be published in 2018: Engaged, Global Journalism: A New Ethic for McGill-Queen’s University Press, and Disrupting Journalism Ethics, for Routledge.
Professionally, he writes for his web, Twitter and Facebooks sites. He is an ethics columnist for Media Shift; for the web site of the Center for Journalism Ethics, https://ethics.journalism.wisc.edu/; for the Canadian portal www.j-source.ca; and for the Canadian magazine, Media.
He is founding chair of the ethics committee of the Canadian Association of Journalists (CAJ). He directed committees that wrote the CAJ’s two codes of ethics.
He continues to work as a consultant for journalism associations from the United States and Canada to Guatemala and Vietnam. Currently, he is ethics consultant to a study of news media in Vietnam. Recently, he wrote ethics guidelines for St. Thomas University’s journalism program in Fredericton, N.B., Canada. In fall of 2015, he chaired a Canadian citizen’s committee that monitored the CBC’s radio coverage of the federal election. He has assisted the Society for Professional Journalists, the Online News Association and the Investigative News Network write and revise their codes of ethics.
Prof. Ward’s articles and reviews have appeared in such journals as Journalism Studies, The Australian Journalism Review, Ecquid Novi: African Journalism StudiesHarvard International Journal of Press/Politics and the Journal of Media Ethics. He serves on many editorial and advisory boards for ethics organizations and for journals on media ethics and science, such a Journalism Studies and the Journal of Media Ethics.Ward has a PhD in philosophy from the University of Waterloo, Ontario, a Masters’ degree from the University of Toronto, and a Bachelor’s degree from St. Thomas University in Fredericton.

Web: www.mediamorals.org Twitter: @StephenJAWard   Email: stephen.ward@bellaliant.net; Facebook: www.facebook.com/stephen.ward27

 

ADELINO GOMES
(n. 1944) exerceu a actividade quotidiana de jornalista na rádio, na televisão e na imprensa escrita durante 42 anos. Foi Provedor do Ouvinte da RDP entre 2008-2010. É autor, entre outros, do livro Nos bastidores dos telejornais – RTP, SIC e TVI (Tinta da China, 2012), uma adaptação parcial da sua tese de doutoramento em Sociologia da Comunicação, no ISCTE-IUL. No âmbito do CIES, participou em investigações sobre os perfis sociológicos dos jornalistas portugueses (Ser Jornalista em Portugal, Gradiva, 2011; e As Novas Gerações de Jornalistas em Portugal, Mundos Sociais, 2014), sob coordenação de José Rebelo; e animou a iniciativa “Para uma Carta de Princípios do Jornalismo na era da internet”, 2012, integrada no Projecto Jornalismo e Sociedade (PJS), coordenado por Gustavo Cardoso.

 

ANA LEAL
Ana Leal é jornalista da TVI, da Grande Reportagem, onde já exerceu o cargo de Coordenadora do Departamento de Grande Reportagem e Investigação. Passou pela Rádio Comercial, Antena Um e RTP, onde fez sempre trabalhos de investigação.Como repórter, cobriu diversos países em guerra ou conflito civil, nomeadamente Bósnia, Israel e Territórios Palestinianos, Timor Leste, Paquistão e Afeganistão.
Foi já distinguida com 20 prémios de jornalismo.

 

CARLA MARTINS 
Assessora do Conselho Regulador e coordenadora do Grupo de Trabalho para a Transparência da ERC. Licenciada e mestre em Filosofia, doutorada em Ciências da Comunicação, especialização em Media e Jornalismo. Professora da ULHT. Investigadora do CIEG – Centro Interdisciplinar de Estudos do Género. Autora de Política no Feminino (em coautoria, 2016. Alêtheia); Mulheres, Liderança Política e Media (2015, Alêtheia); e O Espaço Público em Hannah Arendt (2005, Minerva Coimbra).

 

 

 

JOAQUIM FIDALGO 
Professor Auxiliar no Departamento de Ciências da Comunicação da Universidade do Minho e investigador do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS), da mesma Universidade. Doutorado em Ciências da Comunicação, dedica-se sobretudo à área do Jornalismo, estudando questões ligadas à ética e deontologia, à identidade profissional dos jornalistas e à regulação da profissão.
Antes de se dedicar ao ensino e à investigação, trabalhou como jornalista profissional durante 21 anos, tendo exercido a profissão no “Jornal de Notícias” (1980-1983), no “Expresso” (1983-1989) e no “PÚBLICO” (1989-2001). Fez parte da equipa fundadora e da primeira direção deste último jornal, onde desempenhou também (entre 1999 e 2001) as funções de Provedor do Leitor e onde foi colunista até 2007.
É autor, entre outras publicações, dos livros “A Surpresa dos Instantes” (2000), “Em Nome do Leitor – As colunas do Provedor do PÚBLICO” (2004), “O Jornalista em Construção” (2008) e “O lugar da ética e da auto-regulação na identidade profissional dos jornalistas” (2009).

 

JOÃO MIRANDA
Investigador no Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX e professor na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, João Miranda é autor da tese de mestrado “Os efeitos do novo paradigma socioprofissional do jornalismo sobre as práticas de ética e deontologia”. Encontra-se a terminar a sua tese de doutoramento, subordinada à contextualização da autorregulação profissional do jornalismo português no plano europeu.

 

JOSÉ ANTÓNIO CEREJO
José António Cerejo licenciou-se em Comunicação Social na Universidade Católica de Lovaina em 1979, na Bélgica, país onde se exilara em 1973, depois de desertar da guerra colonial. Iniciou a sua actividade profissional de jornalista no Diário de Lisboa, onde trabalhou entre 1979 e 1988. Passou depois pelo diário Europeu, integrando os quadros do PÚBLICO no final de 1989, ainda antes do seu lançamento. Manteve-se neste jornal até junho de 2016, altura em que se reformou, com 66 anos e a categoria de grande repórter. Esporadicamente continua a colaborar com o PÚBLICO. Ao longo da sua carreira foi galardoado com diversos prémios de jornalismo. Além dos temas relacionados com a corrupção, o tráfico de influências, o clientelismo e o abuso de poder por parte de titulares de cargos políticos e de altos cargos públicos, dedicou-se à cobertuta de áreas noticiosas como a gestão autárquica, o urbanismo e o ordenamento do território, e ainda à reportagem de índole social.

 

PAULO BARRIGA
(Beja, 1968) – Jornalista, CP 2092. Diretor do “Diário do Alentejo”. Começou a carreira nas rádios e nos jornais locais em 1985. Trabalhou nas redações de “O Independente”, “Correio da Manhã” e “Visão”. Fundou as revistas “Imenso Sul”, “Alentejo Terra Mãe” e “A Outra Margem”, da qual foi diretor. Participou, entre 1995 e 1998, no projeto EXPO’98, integrando o gabinete do porta-voz do Conselho de Administração da Parque Expo. Primeiro enquanto redator do “Expo Informação” (“Público”) e depois enquanto redator do “Diário da Expo” (“Diário de Notícias”) e da Agência Expo de Informação. Publicou artigos e reportagens com regularidade na “Grande Reportagem”, “Expresso”, “SOL”, “Maxim”, “Vega – Mar & Aventuras”, “Fora de Série” (“Diário Económico”), “LX Metrópole”, “Livros”, “Express Paris”, “Focus” e “Atlântico”. É autor de livros e de documentários televisivos no campo da reportagem histórica e da etnografia. Leciona atualmente a cadeira de Laboratório de Jornalismo, no Instituto Politécnico de Beja.

COMISSÕES

COORDENADORES GERAIS:

Alberto Arons de Carvalho 
Carla Baptista 

COMISSÃO CIENTÍFICA: 

Alberto Arons de Carvalho 
Francisco Rui Cádima
Estrela Serrano 
Carlos Camponez
Carla Baptista 
Marisa Torres da Silva 
Pedro Coelho 

COMISSÃO EXECUTIVA:  

Departamento de Ciências da Comunicação e CIC. Digital FCSH/NOVA
Carla Baptista 
Natália Manso
Patrícia Contreiras 

CONTACTOS

Geral: cicdigitalpolofcsh@gmail.com
CIC.Digital  NOVA/FCSH
Centro de Investigação em Comunicação Informação e Cultura Digital

Localização da conferência

Universidade Nova de Lisboa
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas
Avenida de Berna, n.26 Edifício I&D - 4º andar - sala Multiusos 2
1069-061 Lisboa, Portugal

Telefone
(+351)  213  642  013